Políticas nas redes sociais

Há algo distinto sobre a maneira na que se move a políticas. Esteja no Norte ou Sul, no Este ou Oeste, a políticas tem sido sempre um combustível para debates intensos e conversas teimosas. Pode dividir ou unificar um país– e às vezes consegue fazer ambas ações ao mesmo tempo. Mas o que tem mudado não tem a ver com a intensidade que aporta às perspetivas senão seus participantes e como participam nela. A mudança fica muito clara com só abrir o Facebook porque hoje, as opiniões políticas dos jovens não são escassas.

 

Com o fim de analisar a relação entre as redes sociais e políticas, um grupo de pesquisadores da Universidade de Mid Sweden realizou uma pesquisa sobre o uso dos meios tradicionais de comunicação e as redes sociais e seus efeitos sobre a interesse na políticas e participação nela. Conduziram o estudo em quatro momentos distintos durante a campanha eleitoral na Suécia em 2010 e recolheram dados de cidadãos de entre 18-74 anos para comparar as tendências na políticas de quatro grupos etários. Além da idade dos seus participantes, a pesquisa registrava também os seguintes fatores deles: a participação política off-line (participação presencial), a interesse na políticas, o uso das redes sociais e dos meios tradicionais de comunicação.

 

Trás realizar o estudo, os pesquisadores encontraram muitas provas suficientes para confirmar suas hipóteses que formularam nas primeiras etapas da investigação: sem dúvida, existem muitas diferencias entre a interesse na política e participação off-line dos maiores e jovens. O estudo encontrou que os maiores geralmente tinham mais interesse e se involucravam nela mais do que os jovens salvo num par de casos como por exemplo, firmar uma petição, participar numa demostração ou expressar uma opinião política.

 

Outra diferencia que observaram no estudo se tratava do uso dos meios de comunicação tradicionais e das redes sociais para motivos políticos. Os dados demostraram que o grupo mais jovem utilizava as redes sociais para comunicar ideais políticas mais do que qualquer outro grupo. Esse grupo foi também ele que menos percebia noticias políticas por fontes tradicionais, o qual sugere que a maneira de usar os meios de comunicçaõ e as redes sociais tem muito que ver com a idade.

 

 

De todas maneiras, em todos os casos analisados, os resultados mostraram que a interesse na políticas e participação off-line foram afeitadas positivamente pelo uso dos meios de comunicação ou das redes sociais. É dizer, quanto mais o participante percebia notícias políticas, independentemente da fonte, quanto mais impactado ficou.

 

Em resumo, o declínio inevitável no uso dos meios tradicionais, como o jornal, não sugere um declínio nas pessoas interessadas e ativas na políticas. Enquanto sua presencia se diminuem com o passar dos anos, as redes sociais podem tornar os jovens cada vez mais interessados e involucrados na políticas. Então pode ser que seja o fim para alguns meios de comunicação, mas para os jovens não é de nenhuma maneira o fim de informar-se sobre o mundo à sua volta .

 

 

Fonte

https://www.researchgate.net/profile/Jesper_Stroembaeck/publication/258134983_Age_and_the_effects_of_news_media_attention_and_social_media_use_on_political_interest_and_participation_Do_social_media_function_as_leveller/links/54c426480cf256ed5a93907d/Age-and-the-effects-of-news-media-attention-and-social-media-use-on-political-interest-and-participation-Do-social-media-function-as-leveller.pdf